O Que Faz um Livro ser Bom

16 de setembro de 2015

Cebola

Quando lançamos o episódio 38 do cast, o nosso amigo Lucas Albuquerque (sim, amigo porque como vocês nos levam pra um pedaço de suas vidas, isto é o mínimo que considero a todos) fez uma pergunta que ficou remoendo na minha cabeça:

Como avaliar se estou sendo justo em julgar certos aspectos da trama ou dos personagens [de um livro], tendo lido somente uma vez?

A minha resposta automática foi algo como “não esquente, se o livro não chamou a sua atenção, provavelmente ele não funcionou pra você”.

Pois bem, depois dessa conversa eu fiquei pensando muito sobre o assunto e me fez querer escrever esse post.

Livro Cebola

Eu acredito que todo livro seja uma cebola. Isso mesmo, uma cebola! E pra quem já assistiu a animação da DreamWorks Shrek vai entender o que estou falando.

Assim como uma cebola, todo livro tem suas camadas, do livro mais superficial aos clássicos atemporais, mas nem todos os livros têm todas as camadas interessantes ao ponto de as percebermos com clareza.

Vou me arriscar aqui e usar um livro que não li como exemplo e peço desde já para que você me corrija se eu falar alguma besteira aqui.

Se você, como eu, é um fã de Tolkien, no mínimo já ouviu falar na sua obra O Silmarillion. Esse livro é um exemplo perfeito de camadas! Para a grande maioria das pessoas esse livro é basicamente uma lista telefônica com muito mais nomes que conteúdo e sim, Tolkien pode ter exagerado na citação a personagens, mas essa foi apenas a primeira camada: aquela que a maioria das pessoas vê.

Para o leitor mais interessado, depois dos nomes você vai encontrar uma história fascinante sobre a gênesis do universo dos Elfos, Anões, Orcs e todas as criaturas que nós, fãs, tanto gostamos. E se ainda assim você quiser ir mais fundo, vai encontrar uma camada que a maioria das pessoas chama de referências cruzadas (aqueles easter eggs de uma obra que aparecem em outra).

Quando vale a pena descascar a cebola

E aonde eu queria chegar com todo esse papo culinário aqui? Bem, acho que respondendo finalmente a pergunta do Lucas, eu acredito que um livro bom vai fazer o leitor se interessar nas camadas interiores antes dele chegar lá!

Parece complicado mas não é! Sabe quando você está lendo um livro e tem um personagem secundário sobre quem você fica querendo saber mais? É exatamente esse o sentimento de querer descascar mais uma camada, e o legal é que quando você fizer isso, outros vão surgir e você vai ficar cada vez mais interessado em ir mais fundo.

É claro que as vezes um livro fica aquém das nossas expectativas e não nos dá todas as camadas que queremos e isso é um risco com qualquer obra. Outras vezes as primeiras camadas são tão nebulosas que fica difícil querer ir mais a fundo (já ouviram alguém falar algo como “leia os primeiros capítulos que depois fica bom!”?). Nesses dois casos, pelo menos pra mim, não vale a pena investir meu tempo nessa história (o que não significa que eu nunca vou ler o bendito, simplesmente significa que agora não é o momento).

E você, caro leitor, concorda comigo? Tem alguma experiência boa ou ruim sobre isso? Comente aqui em baixo pra eu saber se não estou ficando maluco com essas ideias!

Copyright Agentes do L.I.V.R.O. © 2014-2017