Review – The Art of Dragon Age: Inquisition

3 de junho de 2015

Okay, eu admito que adoro artbooks. Adoro. E quando eu estou no hype por algum jogo então, estou perdida. Então quando vi a oportunidade de adquirir este fantástico artbook do mais recente jogo da série Dragon Age, não pude deixar de adquiri-lo.

Logo de cara, já devo dizer que o trabalho dos artistas de DA:I foi fenomenal em termos de design de roupa. Quem já jogou qualquer coisa da BioWare sabe que eles têm um tino para escolher designs de roupas que caiam bem tanto no modelo feminino do protagonista quanto no modelo masculino, ao mesmo tempo sem deixar a roupa “neutra” demais. A roupa casa muito bem com o personagem independente do gênero, e isso é algo que dá para notar logo nos estágios iniciais de design da roupa.

SAM_1442

Uma característica que eu achei muito bacana do artbook é o fato dele não tomar o Inquisitor homem como o principal. Apesar de ele ser o modelo utilizado na parte de arte conceitual dos uniformes e capacetes, você vê o gênero dele se alternando por diversas páginas, o que é bastante condizente com os jogos da BioWare: você tem a liberdade de escolher o sexo do seu protagonista, então nada mais justo em ver como a arte foi feita pensando nos dois.

SAM_1443

Eu tenho cerca de 160 horas de jogo em Inquisition e achei que já era o suficiente, mas depois de ver o cuidado e esmero com o qual foram feitos diversos elementos do cenário, fiquei até meio sem graça em ter perdido todos esses detalhes mesmo após dois gameplays (e meio). Cada opção de customização de Skyhold tem algum detalhezinho diferente e único, da War Table às janelas do quarto do Inquisitor.

SAM_1444 SAM_1445

Aí, chegamos, como não poderia deixar de ser, à parte de arte conceitual de personagens, e essa é provavelmente minha parte preferida dos artbooks. Eu acho muito divertido ver “como poderiam ter sido” os diversos personagens do jogo e qual foi a escolha final de design para eles. Como muitas pessoas, há diversos sketches que eu achei muito mais interessantes que a versão final, mas fazer a comparação é sempre divertido. Penso apenas que gostaria de ter mais informações a respeito dos próprios personagens e, nestes aspectos, AToDAI é comparável a The Art of the Mass Effect Universe. Não vou reclamar muito porque já tenho idéia de que as informações que eu procuro estão em livros cujo review postarei muito em breve!

SAM_1446 SAM_1447

Outro aspecto que eu adorei no livro foi o fato de ele incluir diversas cenas ao estilo “fanart”, com cenas de coisas mais “mundanas” no dia-a-dia de nossos heróis.

SAM_1448

Uma coisa que este livro tem e de que eu senti falta em praticamente todos os artbooks que eu tenho: storyboard. Talvez não seja grandes coisas para quem só está interessado em olhar para a bela arte contida no livro, mas eu acho extremamente útil ver como é feita a progressão de cenas em um ambiente de produção.

SAM_1452

Um pequeno problema que eu encontrei com este livro foi com a qualidade da imagem do Varric, que parece uma foto tirada de uma TV de CRT. Considerando o cuidado com a qualidade do resto das imagens, eu achei estranho que isso tenha acontecido, e o “Varric listrado” acaba destoando bastante contra as imagens das outras páginas.

SAM_1449 SAM_1451

E eu acho que é isso que eu posso falar a respeito de The Art of Dragon Age: Inquisition. É um livro gigantesco e pesadão, com páginas de material excelente e bastante resistente, imagens ótimas em termos gerais e uma perfeita aquisição para fãs da série!

Copyright Agentes do L.I.V.R.O. © 2014-2017