Leituras de Julho (2018)

20 de novembro de 2018

Calma que ainda tem muita leitura pela frente, meu povo!

Norwegian Wood (Haruki Murakami)
Avaliação: ★★☆☆☆
Depois de ler 1Q84 e Do Que Eu Falo Quando Falo de Corrida, confesso que fiquei um pouco decepcionada com este livro. Não pareceu que este livro foi escrito pelo mesmo autor das duas obras anteriormente citadas. A impressão que eu tive durante o livro inteiro é que ele não estava indo para lugar nenhum. O protagonista não tinha objetivo algum, os personagens com quem ele interagia também não pareciam ter um objetivo e, como conseqüência, a história ficava andando em círculos, tudo isso para terminar de uma maneira bastante insatisfatória (para mim).
Eu não desisti dos livros do Murakami. A prosa dele é maravilhosa e uma delícia de ler, mas este livro em especial não funcionou para mim.

Gwendy’s Button Box (Richard Chizmar e Stephen King)
Avaliação: ★★★★☆
Taí um livro sobre o qual eu nunca tinha ouvido falar e que eu descobri posteriormente que existe uma série que se passa nesse universo.
A diagramação desse livro leva a crer que a história é direcionada ao público mais jovem… e no começo da história, é exatamente isso que ele é. Ele conta a história de uma garotinha que recebe de um estranho uma caixa com alguns botões. Ela pode ficar com a caixa com a condição de que um dos botões deve ser pressionado todos os dias. Não vou entregar muito do resto da história porque é interessante acompanhar todas as coisas que vão acontecendo no decorrer da história. Você acompanha a vida dessa menina desde a infância até meados da idade adulta dela, e a história vai ficando meio sombria conforme ela vai crescendo. E é aí que a história fica interessante: até a metade do livro você está crente de que a história é direcionada para o público mais jovem… até mais ou menos perto do final, em que ela se torna uma história tipicamente do Stephen King, com cenas que eu consideraria viscerais demais para um livro infantil ou mesmo para o público jovem-adulto.
De qualquer maneira, é um livro bom, rápido de se ler e que prende a sua atenção do começo ao fim.

The Wicker King (Keyla Ancrum)
Avaliação: ★★★☆☆
Como mencionei no meu review do Goodreads, eu gostei mais da idéia deste livro do que do livro em si. Inclusive, para quem se interessar, recomendo que pegue a versão física do livro para ler. Ele tem um recurso visual bem interessante que complementa a maneira como a história é contada. Basicamente, ele retrata a amizade entre dois rapazes, que se torna cada vez mais abusiva após um deles começar a manifestar sintomas de uma doença neuro-degenerativa. Quanto mais tóxica vai se tornando a relação entre eles, mais escuro fica o layout da página.
Eu teria gostado muito mais desse livro se a narrativa não tivesse insistido em incluir uma jornada mirabolante rumo a um tesouro mágico e começado a colocar elementos de fantasia na história. Achei que isso destoou da história que a autora queria contar e da deterioração do relacionamento entre esses dois rapazes.
Outra coisa que foi difícil relevar foi um capítulo denominado “Mario Kart”. Ao final deste capítulo, um dos protagonistas e outro personagem vão jogar algo no… Playstation. Esse é o tipo de detalhe que muita gente provavelmente não liga, mas que me quebra as pernas no meio da leitura.

Where the Past Begins (Amy Tan)
Avaliação: ★★★★☆
Enquanto eu estava escutando este audiobook, por diversos momentos eu quase esqueci que ele é um relato autobiográfico. Muito da história que a Amy Tan conta da própria infância e da vida da mãe dela me lembraram muito de histórias das típicas famílias chinesas do começo do século XIX. Aconteceram tantas coisas na vida dela que, para os padrões que eu vivi, soam surreais que eu entendo por que ela resolveu escrever um livro a respeito. Eu até me sinto compelida a ler alguns livros sobre a autoria da Amy Tan para tentar entender um pouco mais a respeito de como a dinâmica de famílias chinesas mudou daquela época para cá!

They Both Die At The End (Adam Silvera)
Avaliação: ★★★★☆
Eu tava querendo ler livros do Adam Silvera já faz um tempo. Some isso ao fato do Robbie Daymond ser um dos narradores dessa história e temos um prato completo com sobremesa e tudo! Neste livro, as pessoas vivem em um mundo que descobriu quando elas vão morrer, e quando isso vai acontecer, uma empresa liga um dia antes avisando-as do fato, embora não especifique a maneira como isso vai acontecer. Em um determinado dia, dois rapazes recebem essa ligação e o destino faz com que os dois se encontrem para viver uma última aventura juntos.
Esse é definitivamente um livro interessante. A escrita do Adam Silvera é um pouco mais dinâmica (e talvez um pouco menos poética) que a do Benjamin Alire Saenz, mas o autor ainda assim consegue demonstrar um senso de melancolia na história. Talvez não seja a melhor história para se ler num período de “bad” na sua vida, mas um bom livro mesmo assim!

Letters from a Stoic (Seneca)
Avaliação: ★★★☆☆
Eu tenho me interessado pela filosofia estóica já faz um bom tempo, então estou sempre procurando por mais leituras dessa área. Apesar de Letters from a Stoic não ter envelhecido tão bem no sentido de que ele ainda defende muitos valores conservadores que não são válidos para a sociedade atual, ainda assim é possível reconhecer esse livro por seu valor histórico, e tirar algumas lições importantes dele.

Livro abandonado do mês: The View From the Cheap Seats do Neil Gaiman. Novamente, não porque o livro não foi bom, mas porque ele é longo e eu não tive tempo hábil para concluir a leitura antes do prazo de devolução. Possivelmente este é mais um daqueles livros que eu vou ter que comprar para ler com calma!

E quanto a vocês? Como está o andamento de suas leituras? Deixem-nos seus comentários!

Copyright Agentes do L.I.V.R.O. © 2014-2017