Discussão – Y: The Last Man volumes 3 a 5

18 de novembro de 2015

Vamos passar para a segunda parte das discussões da série de graphic novels Y: The Last Man. Hoje vou falar um pouco sobre os volumes 3, 4 e 5 (para quem ainda não conferiu o post anterior, ele está aqui!).

Relembro apenas que esta série de posts não são reviews, e sim posts que abordam alguns dos assuntos que achei interessantes ao decorrer da série, sejam sobre personagens ou acontecimentos. Ou seja, do começo ao fim do post, vai ter uma série de spoilers!

Uma das questões abordadas de maneira mais recorrente nesses três últimos volumes é a importância primordialmente reprodutiva que restou ao Yorick. Pessoalmente, quando cheguei ao volume 5 eu meio que já enjoei desse tema central (talvez ler tudo de uma vez não tenha sido uma idéia muito boa no final das contas), mas de certa forma a maneira como as mulheres sobreviventes lidam com a situação é relativamente interessante. Algumas se preocupam com a possibilidade da extinção da raça humana, outras acham que a humanidade está muito melhor assim, obrigada. Até mais ou menos metade do volume 4 eu ainda achava que o Yorick podia, de fato, ser a solução para a resolução de todos os problemas do planeta Terra. Depois de algum tempo, eu meio que parei de me importar com ele e comecei a ficar convencida que talvez a humanidade esteja, de fato, melhor depois da tragédia. Ou melhor dizendo: a humanidade acabou não mudando muito com relação ao que estava ANTES dela acontecer. No final de contas, ela continua impiedosa e violenta, mas agora com um outro foco sendo o causador da violência.

Assuntos não-relacionados à proliferação da existência humana que eu achei interessantes: no volume 5, fala-se um pouco do estado de depressão do Yorick. Eu não notei se o Yorick estava agindo de maneira característica a uma pessoa com depressão durante o decorrer da série, e até fiquei surpresa que este tenha sido o assunto adotado no início do volume 6… e a justificativa para todas aquelas cenas de tortura. Fiquei um pouco surpresa com aquela revelação porque, até então, eu não tinha notado sinais de que o Yorick estava com depressão, sobretudo dado o comportamento dele durante toda a jornada até então. Em termos gerais, ele é aquele adolescente que adora uma galhofa, faz piada com tudo e parece não levar nada a sério (talvez seja até por isso que eu não goste dele).

Outra coisa que me chamou a atenção foram os atos de redenção da Hero. Quem me acompanha no Twitter deve ter notado que eu passei um bom tempo reclamando da Hero, e eis que ela me surpreende… ajudando a trupe do Yorick. Eu achei que o exato momento de redenção foi até meio rápido demais. Eu imaginava que a Hero ia ter a própria jornada acontecendo paralelamente aos eventos do Yorick, mas ela superando os efeitos da lavagem cerebral acabou culminando com uma única cena, coisa que eu achei meio corrida, sobretudo se considerarmos os motivos pelas quais ela guardava todos aqueles ressentimentos tanto com relação ao irmão quanto aos outros homens da família.

Agora que a Dra. Mann descobriu qual é a cura para a doença que dizimou todos os homens da face do planeta, resta-nos saber o que causou o mal e como (e SE) esse problema será solucionado. Minha especulação para os próximos volumes da série é que o pai da Dra. Mann ainda está vivo, possivelmente é o responsável pelo que aconteceu e, agora que ele provavelmente tem o Ampersand em mãos, ele tem idéia de como resolver a questão toda. Tenho o sentimento de que a Dra. Mann ainda está escondendo alguma coisa da 355 e do Yorick. Vamos ver o que nos aguarda!

Copyright Agentes do L.I.V.R.O. © 2014-2017